Bing Ads: mais resultados para seus negócios

1 

Este artigo foi escrito em parceria de Bing Ads com a agência Racoon - Marketing Digital

Diversas mídias estão ganhando cada vez mais espaço no marketing digital. O leque varia desde o retargeting e mídias sociais até mecanismos de busca, comparadores de preço e muitas outras.

Porém, as mídias que ainda dominam o mercado são aquelas em que o usuário busca o produto ou serviço e encontra o que procura imediatamente, seja através da pesquisa orgânica (SEO) ou paga (CPC).

Abordaremos neste artigo a pesquisa paga. Mas não pense que este será um artigo comum falando sobre a importância do Adwords para seu negócio: já que estamos falando de diversidade de mídias, vamos diversificar um pouco a falar sobre o Bing Ads, da Microsoft.

O Bing Ads é um serviço muito semelhante ao Google Adwords, porém direcionado às campanhas da rede de pesquisas do Bing Network – Bing, Yahoo Search e AOL -, além de ser desenvolvido e gerenciado pela Microsoft.

Assim como o Adwords, o Bing Ads também vem se mostrando uma plataforma de anúncios eficiente e rentável. Por isso, se você busca diversificar seus investimentos em mídia e buscar novos meios de atuação, escolhemos 5 tópicos mostrando o porquê você deve começar anunciar no BingAds imediatamente. Vamos lá?

1. Windows 10 impulsiona aumento no volume de buscas

Se comparado ao Google, o Bing tem uma audiência bastante inferior de buscas. Porém, o motor de buscas da Microsoft tem conquistado cada vez mais espaço. No mercado norte-americano, o Bing apresenta uma audiência de 31% de todas as buscas na web, enquanto no Brasil, esse número é de 6%, com ampla possibilidade de crescimento. Entre 2015 e 2016, por exemplo, o crescimento chegou a quase 60%. Esse número, é claro, está fortemente atrelado ao uso de dispositivos com Windows 10, que traz o Bing como ferramenta de buscas nativa do sistema operacional.

Esse fato por si só já é um diferencial excepcional para o Bing Ads: o sistema da Microsoft é o SO mais utilizado no Brasil e no mundo, o que garante que a fatia de mercado ocupada pelo Bing seguirá crescendo cada vez mais. Além disso, é hora de atingir o público que já adotou o motor de busca.

2. Baixa concorrência

Devido à sua aparente falta de competitividade frente ao Google, por exemplo, a maioria dos anunciantes acaba não dando a devida importância a esse canal. Isso abre uma grande oportunidade para quem quer sair na frente e conquistar um público que, até o momento, tem sido deixado de lado.

Além disso, a baixa concorrência entre anunciantes garante um espaço mais livre para tentar novas estratégias e também atuar de maneira mais eficiente.

3. CPC Médio mais barato

Com o número reduzido de players, os custos que cada anunciante terá no Bing acaba sendo impactado positivamente. Como a disputa nos leilões é menor, os lances de CPC Médio, consequentemente são mais baixos, variando entre 20 a 50% menores que no Google.

Isso significa que é possível trazer muito mais tráfego qualificado com apenas uma parcela do investimento do Google Adwords. Interessante, não?

4. Público com poder de compra maior

O usuário de Bing é caracterizado normalmente por uma faixa etária mais elevada, devido a facilidade de uso da ferramenta de pesquisa embutida no Windows 10 e que o leva diretamente ao mecanismo de busca da Microsoft.

Para esse perfil de usuário, o mecanismo de busca pouco importa pois prefere a facilidade do serviço nativo e pré-instalado que é oferecido pelo Windows – justamente por ser um perfil de usuário com faixa etária elevada e com menor facilidade em utilizar esses dispositivos (onde também há uma distribuição maior de renda).

Com isso, vale a pena otimizar as campanhas observando o comportamento de cada faixa etária e analisar onde vale a pena, por exemplo, multiplicar os lances. No Bing é possível usar multiplicador por faixas-etárias e gêneros, um recurso bastante importante.

5. Maior taxa de conversão

Ligada diretamente ao público, a taxa de conversão no Bing costuma ser maior. A lógica é bem simples: um público sem muita afinidade com o computador ou dispositivos eletrônicos geralmente não vai comparar preços em diversos sites ou motores de busca.

Normalmente, as chances de um usuário do Bing converter no primeiro click no anúncio de um produto é bem maior do que no Google. Nossos clientes no setor de passagens aéreas, por exemplo, têm uma taxa de conversão 100% maior no Bing em relação ao Google!

6. Mais oportunidades para o final de ano

Com a época mais quente para os e-commerce se aproximando, é necessário buscar oportunidades que possam ser rentáveis para seu negócio. Então, a nossa recomendação é que você tenha campanhas rodando em Bing. Com o objetivo de conectar o usuário às melhores ofertas durante esse período, foi criado um carrossel que permitirá realizar buscas nas categorias mais populares como Eletrônicos, Passagens Aéreas, Eletrodomésticos e outras, tornando a experiência de busca mais agradável e mais fácil na hora de encontrar o que procura.

Exemplo do carrossel implementado pelo Bing.

Digitando “natal” ou termos relacionados no buscador, você pode verificar essa novidade.

 

Tire o melhor do Bing Ads 

Nossa experiência na Raccoon utilizando o Bing Ads – temos cases de sucesso com a ferramenta -, mostra que esses são os principais pontos positivos da plataforma de anúncios da Microsoft.

Vale ressaltar que não basta importar as campanhas do Google e subi-las para o Bing sem nenhuma gestão. É preciso otimizá-las a todo o instante, observando as variáveis e os ajustes pertinentes ao público atingido por cada mídia.

Deixar o Bing de lado pode ser mais uma oportunidade perdida na hora de maximizar os lucros. Por mais que o volume de buscas ainda esteja longe das da concorrência, trabalhar com uma mídia onde a margem de lucro pode ser maior que em outras é um tanto quanto interessante. Na Raccoon contamos com uma área dedicada somente ao Bing Ads e os resultados para nossos clientes são excelentes.

Gostou do nosso artigo? Fique por dentro dos melhores conteúdos para ajudar seus negócios a crescer cada vez mais!

Post anteriorPróximo post