Arquivo: Dezembro 2016

Como aproveitar a jornada de compra do consumidor para fazer suas campanhas

Para compreender a importância das campanhas pagas, é preciso dominar como funciona a jornada de compra do consumidor. Antigamente, antes da internet, as pessoas eram impactadas por mídia impressa, externa, televisiva ou radiofônica. A partir desse estímulo e da opção por adquirir tal produto ou serviço, o próximo passo seria ela se dirigir a uma loja física onde o bem de consumo estaria para então procurar por concorrentes e fazer a comparação.

Outra possibilidade seria a pessoa receber uma ligação ou um vendedor oferecendo determinado produto ou serviço. A pessoa que recebia esse tipo de contato provavelmente não estava pronta para a compra e as chances de conversão não eram muito animadoras.

No entanto, essa situação mudou drasticamente com a chegada da internet. Como o ponto de partida dos internautas normalmente são os buscadores, o usuário tem a possibilidade de pesquisar todos os aspectos sobre o que pretende adquirir. A jornada de compra é melhor percebida a partir deste momento, já que este consumidor poderá se encontrar em estágios distintos de sua busca.

Aprendizado e descoberta

O primeiro momento é quando o visitante da loja virtual ainda não detectou qual é exatamente o seu problema. Ele busca por informações das quais o ajudem a identificar a sua real necessidade.

Reconhecimento do problema

Nesta etapa, o visitante já conhece seu problema. Então, a pesquisa feita por essa pessoa tem um foco muito diferente de quem ainda está na fase de aprendizado e descoberta. Ele vai tentar saber mais sobre o problema e começar a identificar respostas para resolvê-lo.

Consideração da solução

Nesta fase, o visitante já tem conhecimento amplo sobre seu problema e já identificou maneiras de resolvê-lo. Este é um momento no qual ele avalia qual desses métodos é o melhor para sua necessidade.

Decisão de compra

Já decidido pela compra, o cliente busca informações sobre o produto ou serviço específico e quer saber dados sobre preço, formas de pagamento e onde vai comprar.

 

 

Estratégia correta para utilizar as palavras-chave

Uma campanha de anúncios pagos bem-feita deve não só levar essa jornada em consideração, mas ser planejada em função dela. Independentemente do produto ou serviço a ser anunciado, não é muito eficaz realizar uma campanha de fundo de funil para alguém que sequer sabe qual é seu problema. O lead deve ser abordado de acordo com o estágio da jornada em que ele se encontra.

Há campanhas de Bing Ads que apresentam boas métricas, porém com taxas de conversão bem abaixo do esperado ou zeradas. Isso não significa que a campanha não funciona bem, mas que, provavelmente, seu foco está em desalinho com a etapa do consumidor na jornada.

Lucas Burza, sócio-fundador e diretor de comunicação e conteúdo da Agência Linka, defende que em toda campanha é indispensável ter uma meta global e submetas focadas nas etapas da jornada. “No caso de campanhas no Bing, taguear com a UET (Rastreamento Universal de Eventos) todo o website terá um valor significativo pois abrirá a possibilidade de atribuir conversões para termos que não converteram como last click. Ter claro o modelo de atribuição já nos condiciona a pensar e ativar termos mais topo e meio de funil, afinal, esses auxiliam e até mesmo iniciam novas conversões”, explica Burza.

Na prática

Em uma situação hipotética na qual se venda um serviço de limpeza de caixa d'água, há uma série de palavras-chave que podem ser utilizadas para cada estágio da jornada do consumidor. É natural pensar que a palavra de cauda longa "limpeza-de-caixa-d'água" seja bem atrativa, já que provavelmente será utilizada pelo lead que já tem certeza sobre como resolver seu problema. No entanto, tal keyword será de pouco valor para quem está na primeira etapa da jornada. Para este caso, melhor seria utilizar semântica mais ampla, para inserir o usuário no funil. "Melhores-caixas-d'água-para-sua-casa", "doenças-transmitidas-pela-água", entre outras possibilidades mais genéricas seriam mais eficientes para atrair usuários ao campo de atuação específico da limpeza de caixa d'água.

Obviamente, é preciso investir na formulação de landing pages específicas para receber os visitantes que clicarem nas campanhas formuladas para o consumidor de cada etapa da jornada. Nelas, deve haver informações relevantes e, se possível, o oferecimento de materiais para aumentar a autoridade do vendedor.

Bing Ads na jornada do consumidor

É fundamental ficar claro que não basta ter à disposição uma ferramenta poderosa como o Bing Ads se não souber utilizá-la da maneira mais eficiente, investindo em campanhas específicas para o consumidor de cada etapa da jornada. Apenas assim os resultados desejados serão atingidos e o investimento trará o retorno esperado.

Este artigo foi escrito em parceria com Lucas Burza, sócio da Agência Linka, especializada em marketing e performance digital.

Continuar lendo

Volta às Aulas com Bing Ads

 8

Reiniciadas entre o final de janeiro e o início de março, o período de volta ás aulas no Brasil movimenta todo o mercado de educação no Brasil, principalmente no que se refere a materiais escolares, papelaria, faculdades, escolas e instituições de ensino.

Momento de Impulsionar as vendas

Educação no Brasil

Segundo dados do Ministério da Educação divulgados no Censo Escolar 2015, incluindo escolas estaduais e municipais de áreas urbanas e rurais, estão matriculadas aproximadamente em creches 1.95milhões de crianças; na pré-escola, 3.65 milhões; no ensino fundamental, 22.75 milhões; no ensino médio, 6.85 milhões e 2.8milhões, na educação presencial de jovens e adultos. Um total de 37.9 milhões de alunos matriculados no Brasil até o ensino médio completo.

Em 2016, as famílias que pagam por escolas privadas sentiram no bolso um aumento de custos de 9,24% em relação ao ano anterior. De acordo com um estudo da INVENT, a Classe A gasta uma média de R$ 52 mil por ano em educação por filho; a Classe B, R$ 27 mil; e a Classe C, R$ 13 mil. A pesquisa aponta que 45% da renda da família de Classe C é revertido em despesas para educação, enquanto nas Classes A e B as porcentagens são de 34% e 39%, respectivamente. Provando-se um grande potencial para campanhas que visem atingir esse público.

 

 

Ensino Superior

No ensino superior, de acordo com dados do Inep/Censo da Educação Superior 2015, 2,4 milhões de pessoas ingressaram em instituições particulares de ensino superior e outras 534mil se tornaram estudantes da rede pública; um total de 2,9Milhões de novos ingressantes em cursos de graduação superior.

Ao total, foi superada marca histórica de 8 milhões de alunos matriculados, aproximadamente o tamanho do ensino médio no Brasil, um aumento de 73,6% nos últimos 10 anos e de 2,5% em relação a 2014.

 

Destes, aproximadamente 76% dos estudantes, ou seja, 6,1 milhões de pessoas encontravam-se na rede privada e os outros 14%, 1,9 milhões, em rede pública de ensino e ao todo, dividem-se em 55,6% mulheres e 44,4% de homens.

 

Entre as principais escolhas o bacharelado, ocupa 69% das matrículas, seguido de licenciatura, escolhido por 18,4% das pessoas e técnico, 12,6%. Entre as principais profissões escolhidas, Direito e Administração ganham destaque.

 

Ainda segundo o Instituto, 6.65 milhões de matrículas foram feitas para cursos presenciais e 1.4 milhões, para cursos de ensino à distância, dividindo-se no Brasil entre 2.364 instituições de ensino superior, (2.069 privadas e 295 públicas), entre as quais 195 Universidades, 149 Centros Universitários, 1980 Faculdades e 40 IFs e cefets.

Players cada vez maiores, mais poderosos e importantes estão presentes e atuantes para educação em todos os níveis da população. No período 2014-2015, segundo projeções da consultoria Hoper, as faculdades privadas registraram faturamento total de R$ 35,9 bilhões, mantendo a tendência dos anos anteriores de crescer aproximadamente cerca de R$ 4 bilhões por temporada. A mensalidade média paga no país é de R$ 645.

 

Comércio varejista

O material escolar é uma das necessidades anuais que mais impactam no orçamento familiar. Por ano, o gasto médio das famílias nesses produtos é de R$ 262,23 em material escolar (canetas, lápis, tesouras, estojos, entre outros), R$ 149,08 em cadernos, R$ 202,58 em mochilas e R$ 172,53 em outros.

Existem hoje no Brasil mais de 74 mil pontos de venda que comercializam produtos para papelarias, escolas e escritórios. A maior parte deles (54%) é de papelarias, enquanto o restante se divide em lojas de presentes e conveniência, atacadistas, armarinhos, bazares, livrarias, bancas de jornal e outros estabelecimentos.

Por regiões, 49% das papelarias se encontram no Sudeste, 19% no sul, 18% no Nordeste, 8% no Centro Oeste e 6% no Norte. O Estado de São Paulo acumula 28% do total.

Segundo dados da Fecomécio/MG, em 2016, 42,3% dos estabelecimentos do segmento tiveram desempenho de venda menor que no ano anterior. A pesquisa ainda revelou que, neste ano, 63% dos consumidores fizeram pesquisas de preços e que 58,2% dos estabelecimentos revelaram a preferência dos clientes por itens em liquidação. Um dos motivos foi o aumento dos valores dos produtos estimado em mais de 10% pela Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae).

O Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) e a Consultora Nielsen revelaram que houve um aumento de 42% no faturamento do setor de vendas de livros didáticos online em 2016. O estudo mostrou que a volta às aulas foi responsável por crescimento de 30% nas vendas de livros usados e novos, nos meses de janeiro e fevereiro deste ano.

Iniciar a pesquisa de preços e realizar compras com antecedência pode ser uma solução para melhor organizar os gastos. Em 2015, segundo estudo da Ipsos, 46% dos consumidores pertencentes à classe C, 47% das classes AB e 7% das DE declararam ter comprado material escolar nos últimos três meses que antecedem a volta às aulas. Pesquisar realmente faz a diferença no orçamento.

Bing é o melhor lugar para suas buscas

O período de volta às aulas apresenta uma oportunidade realmente interessante para suas campanhas, oferecendo um amplo leque de possibilidades a todos os anunciantes.

Para facilitar e fazer a diferença na busca por melhores condições, preços e oportunidades, o Bing irá utilizar um recurso especial em sua navegação, para tornar todo o processo mais ágil e dinâmico. Na página de busca, através de um display de categorias , “O carrossel do Bing”, os usuários poderão encontrar, dividido pelas principais categorias, o resultados que melhor se encaixam naquilo que procuram, otimizando o processo de compra e a busca por ofertas e descontos.

 

 

Descubra as vantagens em ser cliente Bing Ads

 

Com a nossa lista de palavras chave, você pode implementar sua campanha agora mesmo. Baixe aqui .

Continuar lendo

Bing Ads: mais resultados para seus negócios

1 

Este artigo foi escrito em parceria de Bing Ads com a agência Racoon - Marketing Digital

Diversas mídias estão ganhando cada vez mais espaço no marketing digital. O leque varia desde o retargeting e mídias sociais até mecanismos de busca, comparadores de preço e muitas outras.

Porém, as mídias que ainda dominam o mercado são aquelas em que o usuário busca o produto ou serviço e encontra o que procura imediatamente, seja através da pesquisa orgânica (SEO) ou paga (CPC).

Abordaremos neste artigo a pesquisa paga. Mas não pense que este será um artigo comum falando sobre a importância do Adwords para seu negócio: já que estamos falando de diversidade de mídias, vamos diversificar um pouco a falar sobre o Bing Ads, da Microsoft.

O Bing Ads é um serviço muito semelhante ao Google Adwords, porém direcionado às campanhas da rede de pesquisas do Bing Network – Bing, Yahoo Search e AOL -, além de ser desenvolvido e gerenciado pela Microsoft.

Assim como o Adwords, o Bing Ads também vem se mostrando uma plataforma de anúncios eficiente e rentável. Por isso, se você busca diversificar seus investimentos em mídia e buscar novos meios de atuação, escolhemos 5 tópicos mostrando o porquê você deve começar anunciar no BingAds imediatamente. Vamos lá?

1. Windows 10 impulsiona aumento no volume de buscas

Se comparado ao Google, o Bing tem uma audiência bastante inferior de buscas. Porém, o motor de buscas da Microsoft tem conquistado cada vez mais espaço. No mercado norte-americano, o Bing apresenta uma audiência de 31% de todas as buscas na web, enquanto no Brasil, esse número é de 6%, com ampla possibilidade de crescimento. Entre 2015 e 2016, por exemplo, o crescimento chegou a quase 60%. Esse número, é claro, está fortemente atrelado ao uso de dispositivos com Windows 10, que traz o Bing como ferramenta de buscas nativa do sistema operacional.

Esse fato por si só já é um diferencial excepcional para o Bing Ads: o sistema da Microsoft é o SO mais utilizado no Brasil e no mundo, o que garante que a fatia de mercado ocupada pelo Bing seguirá crescendo cada vez mais. Além disso, é hora de atingir o público que já adotou o motor de busca.

2. Baixa concorrência

Devido à sua aparente falta de competitividade frente ao Google, por exemplo, a maioria dos anunciantes acaba não dando a devida importância a esse canal. Isso abre uma grande oportunidade para quem quer sair na frente e conquistar um público que, até o momento, tem sido deixado de lado.

Além disso, a baixa concorrência entre anunciantes garante um espaço mais livre para tentar novas estratégias e também atuar de maneira mais eficiente.

3. CPC Médio mais barato

Com o número reduzido de players, os custos que cada anunciante terá no Bing acaba sendo impactado positivamente. Como a disputa nos leilões é menor, os lances de CPC Médio, consequentemente são mais baixos, variando entre 20 a 50% menores que no Google.

Isso significa que é possível trazer muito mais tráfego qualificado com apenas uma parcela do investimento do Google Adwords. Interessante, não?

4. Público com poder de compra maior

O usuário de Bing é caracterizado normalmente por uma faixa etária mais elevada, devido a facilidade de uso da ferramenta de pesquisa embutida no Windows 10 e que o leva diretamente ao mecanismo de busca da Microsoft.

Para esse perfil de usuário, o mecanismo de busca pouco importa pois prefere a facilidade do serviço nativo e pré-instalado que é oferecido pelo Windows – justamente por ser um perfil de usuário com faixa etária elevada e com menor facilidade em utilizar esses dispositivos (onde também há uma distribuição maior de renda).

Com isso, vale a pena otimizar as campanhas observando o comportamento de cada faixa etária e analisar onde vale a pena, por exemplo, multiplicar os lances. No Bing é possível usar multiplicador por faixas-etárias e gêneros, um recurso bastante importante.

5. Maior taxa de conversão

Ligada diretamente ao público, a taxa de conversão no Bing costuma ser maior. A lógica é bem simples: um público sem muita afinidade com o computador ou dispositivos eletrônicos geralmente não vai comparar preços em diversos sites ou motores de busca.

Normalmente, as chances de um usuário do Bing converter no primeiro click no anúncio de um produto é bem maior do que no Google. Nossos clientes no setor de passagens aéreas, por exemplo, têm uma taxa de conversão 100% maior no Bing em relação ao Google!

6. Mais oportunidades para o final de ano

Com a época mais quente para os e-commerce se aproximando, é necessário buscar oportunidades que possam ser rentáveis para seu negócio. Então, a nossa recomendação é que você tenha campanhas rodando em Bing. Com o objetivo de conectar o usuário às melhores ofertas durante esse período, foi criado um carrossel que permitirá realizar buscas nas categorias mais populares como Eletrônicos, Passagens Aéreas, Eletrodomésticos e outras, tornando a experiência de busca mais agradável e mais fácil na hora de encontrar o que procura.

Exemplo do carrossel implementado pelo Bing.

Digitando “natal” ou termos relacionados no buscador, você pode verificar essa novidade.

 

Tire o melhor do Bing Ads 

Nossa experiência na Raccoon utilizando o Bing Ads – temos cases de sucesso com a ferramenta -, mostra que esses são os principais pontos positivos da plataforma de anúncios da Microsoft.

Vale ressaltar que não basta importar as campanhas do Google e subi-las para o Bing sem nenhuma gestão. É preciso otimizá-las a todo o instante, observando as variáveis e os ajustes pertinentes ao público atingido por cada mídia.

Deixar o Bing de lado pode ser mais uma oportunidade perdida na hora de maximizar os lucros. Por mais que o volume de buscas ainda esteja longe das da concorrência, trabalhar com uma mídia onde a margem de lucro pode ser maior que em outras é um tanto quanto interessante. Na Raccoon contamos com uma área dedicada somente ao Bing Ads e os resultados para nossos clientes são excelentes.

Gostou do nosso artigo? Fique por dentro dos melhores conteúdos para ajudar seus negócios a crescer cada vez mais!

Continuar lendo